mxrrocker
Krisiun

Home

Alice in Chains | Black Sabbath | Cannibal Corpse | Coal Chamber | Dark Tranquillity | Green Day | Green River | Kyuss | Krisiun | L7 | Melvins | Metallica | Mother Love Bone | Mudhoney | Nirvana | Pearl Jam | Ramones | Screaming Trees | Slayer | Soundgarden | Temple Of The Dog | The Doors | Veruca Salt | Cifras e Tablaturas | Citaçoes | Bloody Ice Cream | Coffee and Tv | Coluna da *ALICE JUNKHEAD | Coluna Torta | TIENDA DEL CHAVO | Letras Traduzidas | Lost in the Dark

krisiun4.jpg

Krisiun
Formado em 1990
em Porto Alegre


Formação:

Alex Camargo - vocal/baixo
Moyses Kolesne - guitarra
Max Kolesne - bateria

Biografia

O Krisiun completou os 10 primeiros anos de existência no ano 2000 colhendo os resultados de um esforço imenso com muita dificuldade e trabalho sério. Orgulhosos de pertencerem ao underground metálico, os irmãos Max e Moyses Kolesne e Alex Camargo entram no novo milênio com a certeza de que estão escrevendo uma história de respeito e profissionalismo, como uma das bandas brasileiras de maior aceitação em todo o mundo.

A construção deste status começou em 1990, quando o trio morava no Rio Grande do Sul. O gosto pelo metal foi herdado do irmão mais velho, que já ouvia bandas como Black Sabbath e Dio. E de tanto vê-lo com seus discos, os três gostaram do som e, é claro, dos desenhos nas capas. Como todo headbanger, a adolescência deles foi marcada pela compra de discos dos grupos preferidos. E, para aumentar a coleção, era preciso investir boa parte do salário que ganhavam nos primeiros empregos. Alex só esperava receber para ir direto a Megaforce, uma das primeiras lojas especializadas da capital gaúcha.

De lá, ele trazia grande parte daquelas que viriam a ser as influências do Krisiun. E entre estas influências surgiram "Show No Mercy" do Slayer e "Altars Of Madness" do Morbid Angel. Os dois discos que transformariam de vez a vida da família Krisiun, mostrando uma face nova e fascinante do velho e bom metal. A agressividade dos vocais e os instrumentos tocados com tanta energia e velocidade provocaram uma reação imediata.

Era chegada a hora de unir-se aos ídolos de alguma forma. Sem dinheiro para adquirir equipamentos de qualidade, foi preciso se contentar com instrumentos mais simples e muito limitados. O movimento metal já vivia uma fase de empolgação no Brasil e fanzines circulavam de um estado para outro, ampliando o underground. O Krisiun logo entrou neste mundo, correspondendo-se com bandas e fanzines de todo o país. A idéia era ganhar espaço no cenário e mostrar os conceitos da banda mundo afora: tocar o verdadeiro metal. Logo o estilo foi sendo moldado, com a velocidade e o peso do que foi rotulado como death metal.

krisiun4.jpg


Ainda aprendendo praticamente tudo "na raça", o Krisiun fez seu primeiro registro oficial em 1991, a demo tape "Evil Age" (1991). No ano seguinte foi gravada uma segunda fita, "Curse Of The Evil One" (1992), e, a partir daí, as respostas do underground não pararam mais de chegar. Cientes de que as portas para um trabalho realmente profissional só se abririam em São Paulo, os irmãos decidiram mudar de estado e viver longe da família. Já na capital paulista, os músicos precisaram redobrar o esforço para conseguir gravar o autofinanciado mini-álbum "Unmerciful Order" (1993).

A partir deste trabalho, o Krisiun rapidamente ganhou status de grupo cult por causa da hipervelocidade das composições e pela impressionante performance ao vivo. No ano de 1995 saiu o primeiro full lenght, "Black Force Domain", que só chegou a um maior público por meio da gravadora alemã Gun Records em 1997. O CD recebeu excelentes notas na imprensa especializada e levou o Krisiun aos palcos europeus pela primeira vez num nível totalmente underground.

Durante o mês de maio de 1997 a banda fez 20 apresentações na Alemanha. Com isso, o Krisiun rapidamente ganhou mais e mais fãs e muitas portas se abriram colocando o trio de uma maneira mais visível. Em dezembro do mesmo ano aconteceu o retorno à Europa, onde mais 30 shows ao lado de Kreator e Dimmu Borgir foram realizados. Com a chegada de 1998, o Krisiun aproveitou para gravar seu segundo disco, "Apocalyptic Revelation", na Alemanha, dentro do estúdio de Harrys Johns (que produziu Kreator, Sodom, Tankard). Na tour, os brasileiros tocaram com Cradle of Filth, Napalm Death e Borknagar por toda a Europa. Em seguida vieram outros 30 shows como headliners pela Alemanha tendo o Soilwork como suporte.

Outros fatos que ajudaram na divulgação do Krisiun foram suas participações nos tributos ao Sodom e ao Kreator. Apesar de não se interessarem muito por este tipo de modismo que tomou conta da música pesada nos últimos anos, os três gostaram da idéia de homenagear duas das suas influências. "Total Death", clássico do disco "Endless Pain" do Kreator ganhou uma versão ultra-rápida e "Nuclear Winter" foi indicada ao Krisiun pelo próprio líder do Sodom, Tom Angelripper. Além disso, o Krisiun atravessou os Estados Unidos com sucesso acompanhando o Angelcorpse e o Incantation em fevereiro de 1999 para as 30 primeiras apresentações na América do Norte.

krisiun4.jpg

Na mesma tour surgiu uma grande oportunidade para os brasileiros. Um dos produtores do Milwaukee MetalFest (um dos maiores festivais underground do mundo) os viu em ação. Antigo fã do grupo, o produtor os convidou para ser uma das atrações do festival em julho daquele ano. Na mesma fase, a Century Media Records ofereceu um contrato que possibilitou o lançamento de "Conquerors of Armageddon". Indiscutivelmente, o melhor disco até agora com uma produção poderosa e precisa, cortesia da cooperação entre Erik Rutan (guitarrista de Morbid Angel, Hate Eternal e ex-Ripping Corpse) como produtor e Andy Classen (Rotting Christ, Holy Moses) trabalhando como engenheiro de som. O material foi gravado no Stage One Studios, na Alemanha, durante o inverno de 1999. A batida imposta por Max na bateria é extremamente pesada e violenta, enquanto a guitarra de Moyses é refinada e avassaladora ao mesmo tempo. Já os vocais guturais de Alex são tão impressionantes quanto a sua marcação precisa no baixo.

Ao final de 1999 os integrantes do Krisiun realizariam um sonho ao tocarem com o Morbid Angel, uma das suas maiores influências. Para Alex, Max e Moyses, dividir o palco e fazer amizade com os ídolos compensou boa parte das dificuldades enfrentadas durante todo este tempo de dedicação ao metal. O ano de 2000 está sendo o mais agitado na história do Krisiun. Com a agenda lotada, a banda fez mais de 120 shows no eixo Estados Unidos-Europa-Estados Unidos-Brasil-Estados Unidos, tornando esta a mais extensa tour de um grupo nacional no exterior em todos os tempos.

Em abril foram 30 apresentações ao lado de Satirycon, Immortal e Angel Corpse na América do Norte. Direto para o Velho Mundo, eles tocaram com Old Man's Child, Gorgoroth e Soul Reaper em 25 shows em maio. No mês seguinte, o Krisiun voltou aos Estados Unidos para outras 30 datas, agora com Kataklysm e Dismember. Outro momento de glória pessoal para os brasileiros foi ter Kerry King em um dos seus shows. Melhor: o guitarrista do Slayer veio cumprimentá-los no backstage. Esta não era a primeira vez que eles encontraram com o ídolo, pois o Krisiun tocou anteriormente com o Slayer na Alemanha, durante o festival With Full Force - que também teve o Iron Maiden como atração - diante de sete mil pessoas.

krisiun4.jpg

Finalmente de volta ao Brasil, o Krisiun pôde realizar uma grande tour nacional, tocando nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste do país. A partir de novembro, a banda entrou em fase de composição para o novo disco, "Ageless Venomous", que foi gravado no Brasil e produzido pela própria banda e por Tchello Martins. Lançado em agosto de 2001, o álbum recebeu críticas amplamente favoráveis em todo o mundo. Sua tour levou o Krisiun de volta ao Milwaukee Metal Fest, além de 16 datas com o Immolation nos Estados Unidos e ainda aos festivais Fuck The Commerce e Wacken Open Air, ambos na Alemanha.

Em outubro, o trio fez seus três primeiros shows no Japão, abriu a tour sul- americana do Nevermore e estreiou também no Chile. Com apenas uma semana de descanso, a banda foi headliner na Polônia e iniciou uma série de 19 apresentações junto com Kreator e Cannibal Corpse por toda a Europa. Para fechar o ano, doze datas estão agendadas para dezembro com Kreator, Cannibal Corpse, Marduk, Nile, Vomitory, Dark Funeral na X-Mass Fest 2001 também em solo europeu.
Para fechar o ano, mais doze datas foram cumpridas com Kreator, Cannibal Corpse, Marduk, Nile, Vomitory, Dark Funeral na X-Mass Fest 2001 também em solo europeu. Tudo isso rendeu ao Krisiun a presença na lista dos "Melhores discos de 2001" da conceituada revista Rolling Stone. Entre 290 álbuns escolhidos pela equipe da publicação norte-americana, o único álbum de metal incluído foi "Ageless Venomous".

krisiun4.jpg

Discografia

Curse Of The Evil One (Split Album) - 1992
Unmerciful Order ([Mini Album) - 1993
Black Force Domain - 1995
Apocalyptic Revelation - 1998
Conquerous Of Armageddon - 2000
Ageless Venomous - 2001

krisiun4.jpg

PÚBLICO DO ABRIL PRO ROCK FOI O MAIOR DO GRUPO NO BRASIL

Cerca de oito mil pessoas assistiram ao show do Krisiun no Abril Pro Rock no último dia 20, em Recife (PE). Nunca antes a banda havia tocado para uma platéia tão grande dentro do seu país. "Ultimamente, nossos shows aqui no Brasil têm, em média, mil pessoas. Já havíamos tocado para 40 mil, no Wacken Open Air, na Alemanha, mas aqui foi a primeira vez que mostramos nosso trabalho para tanta gente. Foi uma honra", afirma o guitarrista Moyses Kolesne. Se apresentar em um evento como o Abril Pro Rock foi considerado como algo muito positivo para o Krisiun. "Pudemos mostrar nosso estilo para gente que nunca ouviu música tão extrema antes e que gostou. Isso é fundamental para divulgarmos o death metal", garante o vocalista e baixista Alex Camargo. Além do público que foi ao evento, a passagem do grupo pelo festival rendeu uma boa divulgação na grande mídia, incluindo jornais e televisão. A resposta da multidão - formada basicamente por fãs do Krisiun e do Sepultura (que fechou a noite) - foi muito boa para o Krisiun. "Sentimos que todos aprovaram nosso trabalho. E pudemos tocar em um evento cuja qualidade não deixa nada a desejar aos grandes festivais americanos e europeus", disse o baterista Max Kolesne. Alex Camargo ainda retornou ao palco durante o show do Sepultura. "Tive a honra de ser convidado pelo Andreas Kisser para cantar com eles a música 'Iron Fist', do Motörhead", lembrou Alex. Este foi o primeiro encontro oficial dos dois maiores nomes do metal brasileiro em todos os tempos.

KRISIUN NO ABRIL PRO ROCK FOI DO CARALHO !!!

NUMA NOITE DE SABÁDO UM MAR DE CAMISA PRETAS VÃO SER FORMANDO ... BANDAS MAIS ESPERADAS DO EVENTO ... POSSIVELMENTE KRISIUN E SEPULTURA ... O KRISIUN FOI O QUARTO GRUPO A SE APRESENTAR ... E CLARO NO PALCO PRINCIPAL... A INTERAÇÃO DA BANDA COM O PÚBLICO FOI DO CARALHO ... A RODA FOI DO CARALHO ... A GALERA GRITANDO O NOME DA BANDA FOI DO CARALHO ...

A MÚSICA MAS ESPERADA COMEÇA ... E TODOS GRITANDO ... BLACK FORCE DOMAIN !!! ... BLACK FORCE DOMAIN !!! ... NINGUÉM FICOU PARADO POR UM SÓ SEGUNDO ... QUE ME DESCULPEM AS OUTRAS BANDAS ... MAS O KRISIUN HUMILHOU ...

NA APRESENTAÇÃO DO SEPULTURA ... ALEX CAMARGO FOI CHAMADO PRA FAZER UMA CANJA ... DO CARALHO !!! ... SEPULTURA E KRISIUN NÃO FICARAM DEVENDO NADA A NINGUÉM ... HUMILHARAM ... E TAMBÉM NÃO POSSO DEIXAR DE FALAR ... QUE OCORREU TUDU NA PAZ ... SEM BRIGAS ... QUEM TIVER OPORTUNIDADE NÃO PERCA O SHOW DELES ...

METAL RULEZ !!!

Marcelo
MXR < Killer is Me >

krisiun4.jpg